5 de mai de 2015

Os planetas do Sistema Solar - Saturno



O gigante gasoso, Saturno é o sexto planeta a partir do Sol, está duas vezes mais longe da Terra que Júpiter. As principais característica são o complexo sistema de anéis e suas inúmeras luas.


Saturno: O Senhor dos anéis.


Antes da invenção do telescópio, Saturno era o mais distante dos planetas conhecidos. A provável causa do seu nome é relativa a sua posição, antigos romanos consideraram Saturno o pai de Júpiter que na mitologia grega é conhecido como Zeus, filho de Cronos. Dos 5 planetas conhecidos, Saturno tinha o maior período de translação, ele demora 29,457 anos para dar a volta ao Sol, quase o triplo de Júpiter (11,86 anos), os astrônomos gregos e romanos acreditavam que o planeta era o guardião dos tempos, ou "Pai do Tempo".


Galileu foi o primeiro a observar os anéis do planeta, em 1610, mas chegou a referir-se a Saturno, numa carta em código, como “planeta com orelhas”. A partir daí Saturno ficou conhecido como a “jóia do Sistema Solar”. Apenas em 1659, Christiaan Huygens identificou a geometria dos anéis de Saturno da forma como conhecemos hoje.


A primeira missão a explorar Saturno foi a nave Pioneer 11, lançada em 1973 mas alcançou o planeta somente em 1979.

Estrutura

Saturno é o segundo maior planeta do Sistema Solar e o menos denso. Com cerca de 95 vezes mais material que a Terra mas, com um volume que poderia conter 764 Terras, Saturno tem estrutura composta por hidrogênio e hélio além de metano, amônia, etano e outros elementos em menores quantidades. Na camada mais externa, os elementos são gasosos, em seu interior portam-se como fluídos onde a temperatura e pressão crescem com a profundidade e ainda mais no fundo portam-se como metal líquido.

Atmosfera

A superfície amarelo-claro do planeta é a camada superior da atmosfera. Algumas faixas douradas são visíveis nas imagens de Saturno. Essas faixas são provocadas por ventos extremamente rápidos, que podem chegar a 1.800 quilômetros por hora, causados pela rotação do planeta e pelo calor que sai do seu interior.
Estas nuvens vermelhas, laranja e verde (cor falsa) no hemisfério norte de Saturno indicam o fim da cauda de uma enorme tempestade que começou em dezembro de 2010. 

Os anéis

A influência de Saturno na sociedade atravessou gerações em diversas áreas do conhecimento, seja na associação do planeta a divindades ou até em músicas românticas. Seus exuberantes anéis são foco da atenção de muita gente, mas sua composição não é nada extraordinária: os anéis são formados de pedaços de cometas, asteroides, luas despedaçadas e partículas de gelo. São bilhões de partículas que podem ter vários metros de diâmetro ou ser meros grãos de poeira e por refletir bem a luz solar são facilmente visíveis.

Saturno é constituído por sete anéis com intervalos e divisões entre eles. O maior deles tem o diâmetro 200 vezes superior ao planeta, porém apesar de se estenderem por longas distâncias, esses aros contam com espessuras que em sua maioria não ultrapassam 10 a 20 metros. Mas durante equinócio de Saturno, em Outono de 2009, imagens da sonda Cassini mostraram formações verticais em alguns anéis que chegaram a 3 quilômetros de altura.

Cada anel orbita a uma velocidade diferente ao redor do planeta.

Nomeados em ordem alfabética na ordem em que foram descobertos, os anéis são relativamente próximos uns dos outros, com exceção da Divisão de Cassini, uma lacuna medindo 4.700 quilômetros.
Ilustração da vista lateral de Saturno em relação ao anel E.

Satélites

Os anéis não são o único destaque do planeta, Saturno tem uma vasta gama de luas no mínimo intrigantes. Ele mantem em órbita 53 luas confirmadas e 9 aguardando confirmação. Desse total, 17 estão entre seus anéis. Grande parte das luas são pequenas e não esféricas, predominantemente constituídas de gelo, refletem de 60% a 90% da luz solar.

Titã é a maior lua do planeta e a segunda maior do Sistema Solar, com tamanho aproximado do planeta Mercúrio ela é o único satélite que conhecemos com atmosfera substancial. Recentemente, descobrimos água líquida em Titã: seus mares são formados por hidrocarbonetos, metano e outras substâncias presentes em sua atmosfera. Essa notícia entusiasmou estudiosos, o NIAC (sigla em inglês para Conceitos Inovadores e Avançados da NASA) financiou estudos que almejam levar um submarino à lua Titã para investigar os mares, mas ainda é só um projeto. Confira no vídeo abaixo a ideia da missão:

O planeta conta com outros satélites, como Enceladus, que expele água e outros elementos através de seus mais de 100 gêiseres e Iapetus, que, além de contar com um polo branco e outro preto, sofre com avalanches gigantescas e tem uma região conhecida como Cassini Regio, próxima ao equador, onde existe elevação do solo formando uma "parede" em torno da lua. Há quem diga que é uma lua artificial, e você, o que acha?
Lua Iapetus: É possível visualizar a marca próxima ao equador.


Fonte: SaturnSolar SystemWikipediaNupescLivro: Guia Ilustrado Zahar Astronomia (Ian Ridpath).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...